11/3/07

3 comentarios:

Caroline dijo...

"Queria que o teu sorriso
Fosse de dentes
E sujar-te as mãos com minhas lágrimas imundas
E sentir o beijo de migalhas de pão pelo corpo
E ser o teu pão
Entranhas se tocam, se misturam nessas palavras
Mas o vidro continua vidro e tua foto
Não tem cheiro de cravo
Nem textura de mel como parece tua pele
E eu
Queria que fossem unhas batendo as cordas
Unhas batendo em unhas
Pergunte a Deus como se faz matéria
Ah, pergunte agora
Eu não me atrevo
Mas fecho os olhos
Sinto unhas
Batendo em dentes
E fios de cabelo grossos e calmos
Entre dedos e unhas
Por favor me diga se não faz mal
Que eu seja tão fraca
E queira materializar-te na chuva
Que se mistura ao barro
Brincando de Deus.
Quem sabe o suspiro no vidro
adentre os espaços vazios entre os átomos de silício
E a tua pessoa venha.
Satisfazer os meus olhos
As minhas mãos
Por favor me diga
Que nem o beija-flor nem a criança
Estão mentindo
Porque desde as tuas primeiras palavras
Eles me sorriem
Os cães são sublimes
Os sorrisos genuínos
Já há uma alegria inusitada
Nesse meu coração
Miolinho de pão
Tão mordido, amassado, cuspido
Por favor diga que não faz mal
Aceitar e beber do teu néctar
até me embriagar
já que o mundo está louco e as estações
continentes separam-se e unem-se o tempo todo
as placas ainda se movem debaixo de nossos pés
e o pólo sul há tempos
está mudando de lugar."
Não existem mentiras quando fazemos poesia...

JUJE dijo...

que bueno pasar por aqui...

clau dijo...

basta de esto!!!!!y a la pitu no la pone en las fotos?